Grupos pressionam por concessões de aeroportos ainda este ano

Grupos interessados nos três blocos de concessão de aeroportos no País pressionam o governo para licitá-los até o final do ano. A preocupação é que o processo tenha revés por conta do novo governo que assumir em 2019.

A Secretaria de Aviação Civil pretende licitar uma leva de aeroportos hoje administrados pela Infraero em três blocos. O bloco Centro-Oeste é integrado por aeroportos localizados no Estado do Mato Grosso:
Cuiabá, Rondonópolis, Alta Floresta e Sinop.

O bloco Nordeste inclui os aeroportos de Aracaju (SE), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB), Juazeiro do Norte (CE), Maceió (AL) e Recife (PE).

Por fim, o bloco Sudeste conta com os aeródromos de Macaé (RJ) e Vitória (ES).

Recentemente, o TCU pediu ajustes ao governo nos editais de licitação. Nos aeroportos de Cuiabá e Vitória, por exemplo, foram solicitados novos estudos de engenharia. No de Macaé, o TCU pediu diminuição dos investimentos previstos.

Grupos nacionais e internacionais têm demonstrado interesse nas futuras licitações aeroportuárias, mas fontes do governo informam que eles pedem pressa por conta de possíveis mudanças que possam ocorrer no processo com o resultado das eleições.

 

 

Pré-fabricados vencem grandes vãos – montados numa sequência precisa

 

A nova unidade do Senai, no Recife (PE), foi construída com o sistema pré-fabricado de concreto pela T&A Pré Fabricados, juntamente com a construtora CSG. O projeto, elaborado pelo calculista Sérgio Osório, da Engedata, adota grandes vãos, que exigiram alguns diferenciais na execução. Há vigas com mais de 17 m de extensão e lajes com 13,4 m.

A montagem teve início em setembro do ano passado e a conclusão ocorreu em fevereiro último. A edificação, com seis pavimentos, possui 20.938,19 m² de área construída – e foi erguida anexa a um prédio existente da instituição.

Para suportar as carga das peças pesadas e de porte e finalizar a edificação dentro do prazo acordado com o cliente, a T&A utilizou dois guindastes, um de 250 t e outro de 70 t. A engenharia de montagem dessa obra foi bem específica, pois foram montadas vigas com 17 m de comprimento, pesando 29 t, a uma distância de 22 m, usando guindaste de grande porte.

“Tivemos que conciliar as carretas, transportando elementos de concreto para os dois guindastes. E como o terreno é apertado, os guindastes muitas vezes trabalharam próximos um ao outro”, explica o diretor da T&A, Vitor Almeida.

 

Ele destacou ainda a complexidade da logística em vista da sequência da montagem. “Tecnicamente só poderíamos montar dois pavimentos por vez, esperar o capeamento (solidarização), para depois montarmos mais dois andares, e assim por diante”, afirmou.

A empresa tomou cuidado em evitar a parada das equipes de montagem. O engenheiro explica que a obra foi dividida em setores e cada um deles foi liberado para o capeamento em momentos diversos. “Isso fez com que a equipe de montagem nunca ficasse parada esperando a solidarização”, diz Vitor.

A T&A Pré-fabricados, com sua planta industrial de Pernambuco, no município de Igarassu, forneceu toda a superestrutura da obra: pilares, vigas e lajes alveolares, todos pré-fabricados, alcançando volume total de 2.121,58 m³.

Ficha técnica – Prédio do Senai no Recife (PE)

Construtora: CSG
Pré-fabricados: T&A
Projeto: Engedata