CSA exporta toda a sua produção

Considerada o maior investimento privado realizado no Brasil nos últimos 10 anos – são três bilhões de euros – a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) está sendo construída pela Thyssen Krupp Steel, principal acionista, com 90% do total dos recursos, e pela Vale, com os 10% restantes. A mineradora brasileira será responsável pelo fornecimento de minério de ferro.

O local das obras é o Distrito Industrial de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, uma área com 9 milhões m2. Além das instalações fabris, o projeto contempla a construção de um porto com dois berços de atracação – um para recebimento de 4 milhões t/ano de carvão mineral e outro para escoamento da produção, que será de 5 milhões t/ano de placas de aço, e uma ponte de acesso ligando o terminal portuário ao complexo industrial, com 3.800 m de extensão.

As obras estarão concluídas no início de 2009 e, a partir de março daquele ano, a empresa enviará toda sua produção ao mercado externo, elevando em 40% a exportação brasileira de aço.

A instalação do projeto movimenta 18 mil empregos diretos, e outros 3.500 trabalhadores, recrutados na Zona Oeste do Rio e em municípios vizinhos ao empreendimento, preferencialmente, estão sendo contratados para a fase operacional. De acordo com a Thyssen Krupp, quando forem iniciadas as atividades industriais, os empregados serão basicamente brasileiros, sendo inferior a 100 o número de estrangeiros.

A preocupação com a capacitação profissional traduz-se em uma parceria assinada com a Federação das Indústrias do Estado de Rio de Janeiro (Firjan) para a formação de 1.500 trabalhadores. O valor do contrato é de R$ 10 milhões e, no processo seletivo, o Senai-RJ deu prioridade a moradores de áreas próximas.

Uma escola técnica será construída pela multinacional alemã em Itaguaí, com o objetivo de atender às comunidades do entorno, de modo a capacitar técnicos para as principais demandas das indústrias locais. A idéia é que a escola funcione como um centro de excelência para, futuramente, permitir que o Senai desenvolva outros cursos adequados à demanda da mão-de-obra da região.

No quesito social, os investimentos estão focados especialmente na área da saúde, com o reaparelhamento do Hospital Pedro II, situado em Santa Cruz, mas incluem o reequipamento de unidades locais do Corpo de Bombeiros, a construção de novas instalações que darão melhores condições de trabalho para os pescadores da região. Nesse aspecto, estão previstos investimentos na montagem de um entreposto de venda de pescados, para evitar custos com atravessadores, além da construção de um cais, atividades de alfabetização de pescadores adultos e desenvolvimento de piscicultura marinha. Para dar condições de auto-sustentabilidade às comunidades locais, recursos serão aplicados em cursos de capacitação em atividades profissionais.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *