Melhorar os estádios e a infraestrutura urbana

Em relação aos estádios, são estabelecidas algumas exigências que devem ser cumpridas rigorosamente para que a Fifa homologue as praças esportivas para a realização dos jogos da Copa 2014.
Entre outras, destacam-se os seguintes parâmetros:

  • Os estádios em geral devem ter capacidade para, pelo menos, 40 mil lugares. Sendo que a arena da abertura do evento deverá comportar 60 mil ou mais pessoas e a de encerramento, mais de 80 mil.
  • Todos os espectadores devem ser instaladosem cadeiras individuais numeradas e com encosto de, pelo menos, 30 cm de altura.
  • Os banheiros, além de limpos, devem ser em número suficiente para atender à demanda dos torcedores.
  • Os corredores de entrada e saída devem ter largura suficiente para uma saída rápida do público.
  • As tribunas de imprensa devem ser equipadas de toda a estrutura necessária para a transmissão dos jogos.
  • Próximo aos estádios, deve haver hospitais e estacionamentos.

O Brasil, a despeito de possuir uma enorme quantidade de estádios espalhados por todo o seu território, terá, entretanto, de realizar um gigantesco mutirão para adequá-los às exigências da Fifa. Em geral, são praças esportivas ultrapassadas e antigas que, ao longo do tempo, sofreram com a falta de manutenção e reformas.
As cidades-sede, onde estão instalados esses estádios, também carecem de uma série de investimentos em infraestrutura, segurança e outros recursos para garantir a estada confortável de um grande fluxo de turistas que acorrerá ao Brasil para presenciar os jogos e, muito mais do que isso, conhecer seus pontos turísticos, sua cultura e seu povo.
O Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco) realizou um estudo sobre quais são as principais características das cidades e estádios escolhidos e quais são as carências prementes que deverão ser atendidas se o País não quiser fazer feio durante a realização da Copa Mundial de Futebol de 2014.
Acompanhe, aqui, o resumo desse trabalho.

Belo Horizonte

  • Inaugurado em 1965, o Estádio Governador Magalhães Pinto, mais conhecido como Mineirão, é de propriedade do governo estadual, e tem capacidade para 81 mil pessoas.
  • Reformado, ele poderá atender às condições da Fifa e ao potencial esportivo da cidade, caracterizado pela existência de um público pagante capaz de dar sustentação econômica ao estádio.
  • A maioria das intervenções que o estádio necessita está relacionada aos problemas de visibilidade e segurança.
  • O reforço de pilares e molas implantado para dar sustentação à arquibancada superior atrapalha a visão da arquibancada inferior para o campo.
  • Os placares sobre a arquibancada e grades na separação das torcidas também comprometem a visibilidade em vários pontos do estádio.
  • A cidade tem potencial para o turismo de negócios que poderia ser mais bem explorado, incrementando a infraestrutura turística para ampliar o tempo de permanência do turista de negócios na capital e criar condições para que ele retorne. A secretaria estadual de Turismo anunciou em abril de 2009 o projeto Rede de Turismo de Negócios e Eventos, que deve contar com investimentos de US$ 5,6 milhões, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
  • Entre os desafios que Belo Horizonte deve enfrentar está a ampliação da rede de hotéis, sabidamente deficiente. Até o final de 2010, a rede hoteleira deve oferecer mais 1.668 leitos – o que é ainda pouco.
  • O traçado do metrô e a macroestrutura viária e de transportes da capital mineira, dispostos predominante nos eixos norte e oeste, reforçam a concentração e as deficiências na articulação espacial da região metropolitana, abrindo diversas frentes para investimentos em transporte coletivo.
  • A acessibilidade ao estádio deverá ser garantida por um sistema de transporte de massa, próximo e ligado aos principais polos geradores de viagens da cidade. Nos municípios maiores da RMBH, o sistema deverá ser de alta capacidade, como o metroviário ou de trens metropolitanos.
  • O Plano de Mobilidade Urbana para a Copa 2014, apresentado pelo Ministério do Turismo prevê para Belo Horizonte apenas R$ 211,7 milhões para 5,5 km de corredores de ônibus.
  • Está prevista para a região da Pampulha, onde fica o estádio, a implantação de uma linha metroviária de 10,3 km entre a Pampulha e o bairro da Savassi, conectada com as linhas de metrô já existentes. Porém essa linha ainda está em estudos e não há recursos orçamentários previstos para sua implantação.
  • Belo Horizonte também está concluindo o projeto da Linha Verde, que reduziu de 60 minutos para 35 minutos o tempo de viagem entre o aeroporto internacional de Confins e o centro de Belo Horizonte, distantes cerca de 40 km.
  • A infraestrutura aeroportuária de Belo Horizonte conta com dois importantes aeroportos, o menor na região da Pampulha e o principal em Confins, na RMBH. Em 2005, a Infraero transferiu 120 voos da Pampulha para o Aeroporto Internacional de Confins, o que quintuplicou o movimento de passageiros – 400 mil em 2005 e 5,18 milhões em 2008. O público só dispõe de um ônibus que sai cada 30 minutos e taxi.

Brasília

  • O estádio escolhido por Brasília para receber os jogos da Copa é o Mané Garrincha, construído em 1974. Conta com complexo esportivo com vestiários, sala de fisioterapia, alojamento, restaurante e academias.
  • Pode acolher 45 mil pessoas, mas uma reforma já programada vai aumentar sua capacidade para 70 mil lugares.
  • Além de alterações no gramado e nas arquibancadas, o estádio ganhará uma cobertura, um setor para lojas e empreendimentos comerciais e 12 rampas de acesso. O investimento previsto para o estádio é de R$ 400 milhões.
  • Brasília tem dois setores de hotéis e flats que somam 50 estabelecimentos, com um total de 28 mil leitos. A acomodação mais afastada do estád
    io Mané Garrincha, fica a apenas 2 km, distância que pode ser percorrida a pé. Existem novos projetos em execução para a rede hoteleira da cidade, e a previsão é de que a oferta irá aumentar em, no mínimo, 20% até 2014.
  • O governo do Distrito Federal planeja também incentivar o transporte por bicicleta, e criou o maior programa cicloviário do país (Pedala-DF), que terá 600 km até 2010.
  • O aeroporto Juscelino Kubitschek, de Brasília, é hoje o terceiro em movimentação de aeronaves e o quarto em movimentação de passageiros do Brasil. Por sua localização estratégica, é considerado "hub" da aviação civil, ou seja, ponto de conexão para destinos em todo o País. Com isso, a movimentação de pousos e decolagens é bastante intensa, em torno de 555 mil por ano.
  • O atual terminal receberá melhorias, incluindo saguão, salas de embarque e desembarque, check-in, controles de entrada de passageiros, meio-fio de desembarque e área de bagagens, o que permitirá atender a um movimento de 25 milhões de passageiros por ano. A obra vai custar cerca de R$ 140 milhões, dinheiro que virá do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O plano prevê a implantação de um edifício-garagem em frente ao aeroporto – o número de vagas passará de 1.300 para cerca de 5 mil veículos.
  • Brasília terá de viabilizar a manutenção do novo Mané Garrincha no pós-Copa. Como não tem potencial esportivo suficiente para manter o novo espaço apenas com o futebol, a alternativa mais viável é adaptar o empreendimento para receber também shows e outros eventos de entretenimento de grande porte.
  • Outro desafio é preparar a cidade para sediar grandes congressos internacionais, com mais de 5 mil participantes, o que exigirá novos espaços de eventos, dotados de toda a infraestrutura de comunicação necessária para esse tipo de atividade. A cidade já dispõe de um parque hoteleiro dinâmico que poderá beneficiar-se desse turismo pós-Copa.

Cuiabá

  • Cuiabá está desenvolvendo o projeto de renovação do Estádio Governador José Fragelli, o Verdão. A previsão é de que a obra seja concluída até dezembro de 2012.
  • Espera-se investimentos da ordem de R$ 350 milhões. Com a reforma, a nova arena terá capacidade para 48 mil torcedores e uma área com camarotes, tribuna de honra e gabinetes de imprensa.
  • O plano estadual para a Copa 2014 prevê ainda a implantação de quatro Centros de Treinamento, que seriam instalados nas cidades de Chapada dos Guimarães, Barão de Melgaço, Lago do Manso e Várzea Grande.
  • Cuiabá forma uma conurbação com o município de Várzea Grande, com uma população de mais de 780 mil pessoas (IBGE-2008). Foi fundada em 1719 e ficou praticamente estagnada desde o fim das jazidas de ouro até o início do século XX.
  • Um ponto importante para Cuiabá é sua localização. O Mato Grosso tem na conjugação de três biomas (Amazônia, Pantanal e Cerrado) um grande atrativo.
  • Um fator negativo no projeto de Cuiabá é a fragilidade da cena esportiva local, com jogos de pequeno público, o que dificulta a sustentação do novo estádio no pós-Copa. A viabilidade econômica do empreendimento poderia ser fortalecida caso o Verdão se transforme em uma arena multiuso, que
  • também possa acolher shows e outros eventos de grande público.
  • Cuiabá e Várzea Grande contam atualmente com 6.710 leitos e um total de 3.271 apartamentos em hotéis, cuja classificação vai de econômica a cinco estrelas.
  • O setor hoteleiro da capital está em plena expansão, com uma previsão de 1.400 novos apartamentos nos próximos três anos. Com novas redes chegando e a previsão de ampliação de alguns hotéis, até 2012 a oferta crescerá mais de 60%. O setor cresceu cerca de 20% nos últimos cinco anos, com investimentos de mais de R$ 22 milhões. A projeção de investimento nos próximos três anos é de R$ 103 milhões.

    A capital mato-grossense já possui um dos melhores sistemas de transporte público através de ônibus do país. Hoje, todo ponto de ônibus é um terminal de integração. O transporte público é feito por ônibus coletivo e táxis, além de micro-ônibus e mototáxi, já regulamentados pela Câmara Municipal.

  • Todos os ônibus são monitorados por satélite através de GPS, além de 89% dos veículos possuírem ar-condicionado e cerca de 67% serem equipados rampa elevatória para cadeirantes e deficientes físicos.
  • O maior projeto a ser desenvolvido na cidade para o transporte público é a construção do VLT de Cuiabá e Várzea Grande, inteiramente elevado. Há também a intenção de se criar linhas executivas intermunicipais para os 10 municípios da futura Região Metropolitana de Cuiabá.
  • Em certos pontos da cidade, principalmente em sua região histórica, as vias são estreitas e o tráfego chega a ficar congestionado. Para contornar a situação, já está prevista a construção de cinco novas vias para o acesso ao estádio.
  • Também estão programadas a duplicação da avenida e canalização do córrego 8 de Abril, eleita a principal ligação entre o Verdão e o centro histórico de Cuiabá; implantação da Avenida Projetada, ligando o aeroporto ao Verdão; aumento das pistas da Avenida Miguel Sutil (Perimetral) e prolongamento da Avenida Dr. Paraná, em Várzea Grande, ligando o Aeroporto ao Centro de Cuiabá e à localidade do Coxipó, pela ponte Sérgio Motta.
  • O Aeroporto Internacional Marecha Cândido Rondon é o principal aeroporto do Mato Grosso. O complexo está situado em Várzea Grande (a 8 km do centro da capital). Conta com terminal de passageiros com dois pisos, praça de alimentação, lojas, serviços, elevadores, escadas rolantes e climatização.
  • Para suportar o aumento de fluxo decorrente da realização do Mundial, já está em licitação a ampliação do terminal de embarque internacional. Dos atuais 580 mil passageiros, o aeroporto poderá receber mais de um milhão de viajantes/ano.
  • A Copa do Mundo será uma oportunidade inédita para mostrar ao mundo uma das maiores planícies de sedimentação do mundo, com aproximadamente 140 mil km², com ampla diversidade de flora e fauna e uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta.

Curitiba

  • Curitiba conta com o Estádio Joaquim Américo Guimarães, do Clube Atlético Para
    naense, que tem características multiuso. Conhecido como a Arena da Baixada, o espaço está equipado com vestiários, camarotes, camarins para shows e sistema de segurança, com mais de 200 câmeras.
  • O estádio está passando por reformas com previsão de que seu anel inferior receba cinco mil novos assentos, elevando o número de lugares para 31 mil. Em 2012 espera-se que a capacidade seja elevada para 41 mil pessoas.
  • As melhorias devem ser feitas na área VIP, salas de imprensa e estacionamentos. Segundo o projeto de Curitiba para a Copa de 2014, todas as reformas e ampliações serão realizadas com investimentos
  • privados e terão sustentação econômica em função dos jogos dos campeonatos estaduais e nacionais.
  • Curitiba é hoje considerada a capital com melhor qualidade de vida do país e é ecomendada como cidade-modelo pela Unesco.
  • Destaca-se, principalmente, pelo sistema de transporte público, educação, saúde e preservação do meio ambiente. Tem 51,5 m² de área verde por habitante, quase o triplo da área mínima recomendada pela ONU. Seu polo industrial diversificado lhe dá o posto de quarta maior economia do Brasil.
  • A cidade destaca-se no mercado de turismo de negócios, sendo a terceira cidade brasileira mais visitada por estrangeiros que vêm ao Brasil a negócios, de acordo coma Embratur.
  • Como destino turístico de passeio, Curitiba conta com atrativos, como a Rua 24 Horas, a Ópera de Arame, o Museu Oscar Niemeyer, o anfiteatro da Pedreira Paulo Leminsky, além de uma cena cultural expressiva e um bairro inteiramente dedicado à gastronomia (o Santa Felicidade).
  • A intenção é aumentar o número de visitantes à cidade – que hoje chegam a 2,2 milhões por ano – e seu tempo de permanência, atraindo turistas a outros pontos de interesse do Paraná, como Foz do Iguaçu, um dos cartões postais brasileiros mais reconhecidos pelos turistas, ou a ferrovia Curitiba-Paranaguá, que cruza a Serra do Mar e passa por localidades como Morretes e Antonina.
  • Curitiba possui 160 hotéis e 13 mil quartos. A previsão é que até 2014 esses números cresçam para 184 hotéis e 14.950 quartos. Além disso, as regras de hospedagem da Fifa permitem a inclusão de hotéis que se localizem em um raio de até 120 km da sede principal. No caso de Curitiba, essa área inclui desde o litoral paranaense até Ponta Grossa.
  • Curitiba planeja muitas melhorias para seu sistema viário, que já é considerado modelo. A cidade programa investimentos na ordem de R$ 400 milhões para o Núcleo Urbano Central. Está prevista, ainda, a construção de 53,6 km de vias para um corredor metropolitano de ônibus.
  • Também haverá a melhoria da conectividade com outras cidades do interior e capitais de estados vizinhos. Já estão em andamento obras na rodovia Regis Bittencourt, que liga Curitiba a São Paulo; na BR 101, na ligação com Florianópolis; e na BR 116, a caminho do Rio Grande do Sul; e existem planos para investir nas rotas para Londrina, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu e Litoral. A prefeitura municipal planeja ainda a implantação de um metrô elevado, que em sua primeira fase ocuparia 13 km da BR-116 e atenderia a 183 mil pessoas/dia.
  • O transporte público, veículos biarticulados expressos conectam terminais integrados em diferentes regiões do município por trajetos desprovidos de paradas intermediáriasvias exclusivas que facilitam a circulação. A cidade também é dotada de ciclovias que interligam seus parques e logradouros. Os visitantes contam ainda com a Linha Turismo, que circula nos principais pontos de interesse da capital.
  • O Aeroporto Internacional Afonso Pena fica em São José dos Pinhais, com terminal de passageiros dividido em três pisos e capacidade de atender a quatro milhões de passageiros por ano, o que o torna o oitavo maior aeroporto brasileiro.
  • O aeroporto passará por uma reforma que aumentará sua capacidade para seis milhões de passageiros por ano até 2014. A primeira fase da obra contempla a ampliação do pátio de aeronaves e terminal de passageiros.

Fortaleza

  • O estádio Plácido Castelo, o Castelão, é o mais moderno do Ceará, com 58 mil lugares numerados. O espaço conta com camarotes climatizados, vestiários, camarins-suítes e bares panorâmicos. Para adequar-se às exigências da Fifa, o estádio precisaria aumentar seu número de vagas de estacionamento interno e externo e também melhorar a oferta de cabines para a imprensa.
  • O Castelão deverá passar por reforma, conforme projeto já encaminhado à Fifa, com a viabilização por meio de investimentos do setor privado da ordem de R$ 400 milhões. O retorno aos investidores dependerá da realização de shows ou da utilização comercial de suas áreas.
  • O estádio está localizado em uma periferia urbana, cercado por moradias de baixa renda, o que exigirá planejamento e investimentos maciços no entorno.
  • Fortaleza foi fundada em 1726, vizinha a 34 km de praias, no Nordeste do Brasil. É a cidade mais povoada do estado e a quinta do Brasil, ganhou fama internacional por suas belezas naturais: rios, lagoas, manguezais e praias.
  • É reconhecida por sua gastronomia e pela alegria de seu forró. Outras atrações da cidade são o parque temático Beach Park, que recebe uma média de 500 mil visitantes por ano; o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, que conta com museus, teatros, cinemas, bibliotecas e planetário; e a orla, que concentra barracas de praia ofertando quitutes e artesanato e casas de shows.
  • O governo do estado e a prefeitura vêm investindo no turismo de eventos e negócios. Em 2007, foi construído um novo centro de convenções, o Pavilhão de Feiras e Eventos de Fortaleza
  • Fortaleza possui uma boa rede hoteleira com quase 17 mil leitos distribuídos por mais de 200 opções de hospedagem, a maior parte localizada próxima à orla. A cidade testemunha a expansão de luxuosos resorts, que devem aumentar em muito o número de quartos disponíveis.
  • Se, por um lado, na orla a beleza da cidade atrai os dólares do turismo, nos bairros mais distantes ficam evidentes tanto a desigualdade social e quanto os problemas decorrentes dessa situação, comuns a várias capitais brasileiras. Cerca de 1/3 da população de Fortaleza vive em favelas.
  • A criminalidade também é relevante na capital e começa a ser enfrentada pelo governo, com ações de fiscalização 24 horas por dia, em todos os bairros da cidade.
  • A exploração sexual é outro problema porque a cidade tem sido palco de redes de prostituição, inclusive infantil, com alvo no turista estrangeiro. Desde 2007, a prefeitura e o Ministério do Turismo vêm realizando ações para o combate a essa atividade.
  • Fortaleza tem sistema interligado de transporte coletivo, com sete terminais integrados de ônibus urbano, dois termina
    is não integrados e duas estações rodoviárias. Para receber a Copa, o governo do Ceará pretende ampliar a rede viária estruturante da região metropolitana da capital, beneficiando 13 municípios.
  • A estimativa de investimentos para 2009 é de R$ 128 milhões em obras e R$ 45 milhões em desapropriações.
  • O Aeroporto Internacional Pinto Martins possui um pátio de manobras de 153 mil m², que permite acomodar simultaneamente 14 aeronaves, e terminal de passageiros dividido em quatro pisos, com 31 balcões de check-in.

O plano 2014 da Infraero prevê investimentos de mais de R$ 500 milhões em várias obras: novo terminal, ampliação do estacionamento, construção de área para manutenção de aeronaves, entre outras intervenções.

Manaus

  • Para a Copa de 2014, o projeto prevê a demolição do Estádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, e a construção de uma nova arena multiuso. A capacidade será de cerca de 48 mil assentos e terá 11 mil vagas de estacionamento, no estádio e imediações.
  • A nova arena, que custará perto de R$ 580 milhões, deverá ser concluída até o primeiro semestre de 2013.
  • O retorno do investimento provavelmente não virá da receita dos ingressos. A expectativa é que a obra se pague pelo aumento do turismo na região, que é o grande objetivo de Manaus com a Copa. Desta forma, a iniciativa privada não deverá ser o grande investidor da obra, e o mais provável é que o governo do estado aloque recursos próprios para viabilizar o equipamento.
  • Fundada em 1669, a capital do Amazonas é o maior centro econômico da Região Norte e a oitava cidade mais populosa do Brasil. Detém o sétimo maior PIB do País e é um importante polo industrial, além do ecoturismo na Amazônia, que tem na cidade um ponto referencial de partida.
  • No século XIX, Manaus conheceu o luxo e a prosperidade propiciados pelo chamado Ciclo da Borracha. Ali foram construídos imponentes edifícios como o Teatro Amazonas, o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, o prédio da Alfândega e o Palácio da Justiça.
  • Manaus, base para o turismo ecológico e do incremento durante e no pós-Copa, conta com cinco bandeiras de hotelaria e mais cinco hotéis estão sendo construídos.
  • O principal gargalo da cidade, em termos de infraestrutura, é a mobilidade urbana. Os grandes congestionamentos nas vias de acesso ao centro e a Copa já são vistos como oportunidade para viabilizar os estudos e projetos para a rápida implantação de sistemas de transportes coletivos de média capacidade, como VLP ou VLT.
  • A capital amazonense é atendida pelo aeroporto internacional Eduardo Gomes. Um plano de modernização envolve a ampliação e a reforma do terminal de passageiros, a ampliação dos pátios e da pista existentes e a construção de uma segunda pista de pouso e decolagem.
  • A estação de passageiros atual tem 43 mil m² de área, e a área projetada é de 80 mil m². O valor do investimento para esta obra é da ordem de R$ 192 milhões. Já a ampliação do pátio e das pistas do aeroporto deve custar R$ 600 milhões, com prazo de operação em dezembro de 2013.

Natal

  • O Estádio das Dunas, planejado no modelo de parceria público-privada, prevê investimento de R$ 300 milhões. Será concluído até o primeiro semestre de 2013. Para não se tornar um "elefante branco", o principal desafio do estádio é obter sua sustentação econômica, que não pode depender apenas da receita de jogos de futebol, mas sim de outras fontes de renda.
  • Natal possui o "ar mais puro" das Américas, o maior cajueiro do mundo e mais de 20 belíssimas praias. É conhecida como "A Cidade do Sol", com média de 320 dias de sol por ano.
  • Além do acesso por via aérea e terrestre, Natal conta, ainda, com acessibilidade portuária, o que a qualifica para receber cruzeiros nacionais e internacionais, na alta temporada.
  • A Copa de 2014 justifica investimentos para incrementar a infraestrutura turística e ampliar o tempo de permanência do turista de negócios na capital, além de criar condições para que ele retorne em outras oportunidades. De 2002 a 2007 dobrou o fluxo turístico, passando de 1.423.886 para 2.096.322.
  • O município foi eleito como melhor destino turístico do Brasil em 2007 e também é uma das cidades com o maior número de leitos de hotel do País (aproximadamente 28 mil).
  • No quesito mobilidade urbana, Natal sofre algumas limitações, com um sistema de trem urbano, com 38 km de extensão, onze estações e capacidade para transportar 4 mil passageiros por dia. A qualidade tem sido considerada precária.
  • Ações planejadas para melhoria da mobilidade urbana: Modernização e Expansão do Sistema de Trens Urbanos; implantação do Eixo de Integração Zona Oeste-Zona Sul; implementação do Sistema de Transporte Rápído de Natal – Fase 1; implantação do corredor turístico cultural; implementação do Sistema de Transporte Rápido de Natal – Fase 2 e melhorias na infraestrutura urbana das cidades que integram a Região Metropolitana.
  • O aeroporto internacional da cidade, Augusto Severo, que está no município Parnamirim, região metropolitana de Natal, conta com 6.224 m de pistas para pousos e decolagens e comporta 25 aeronaves, mas já não atende à demanda de 2 milhões de turistas/ano, entre brasileiros e estrangeiros que acorrem à cidade.
  • Um novo aeroporto está em fase inicial de construção, o Aeroporto Internacional da Grande Natal/São Gonçalo do Amarante, situado no município de mesmo nome, distante 11 km do centro da capital. Projetado para ser um aeroporto intermodal (passageiros e cargas), o complexo terá a maior pista de pouso do Nordeste e tem a pretensão de ser "o maior terminal da América Latina".
  • O complexo, que está incluído no PAC, será o maior aeroporto de cargas da América Latina. Estão sendo criadas uma Zona de Processamento de Exportações (ZPE) e uma área de Livre Comércio (ALC).

Porto Alegre

  • O estádio José Pinheiro Borda, conhecido como o Gigante da Beira-Rio, pertence ao Sport Club Internacional, será sede dos jogos da Copa 2014 e já está passando por reforma.
  • Sua adaptação aos padrões da Fifa deverá custar cerca de R$ 120 milhões.
  • Fundada em 1772, Porto Alegre é a capital que possui maior renda per capita da região Sul. Eleita por três vezes a metrópole brasileira com melhor qualidade de vida pela ONU, é uma das capitais mais arborizadas do Brasil, com uma média de 17 m² de área verde por habitante.
  • A cidade tem vocação para o turismo de eventos e negócios e está r
    odeada por destinos bastante visitados, como Novo Hamburgo. Fica a pouco mais de 100 km da rota turística da Serra Gaúcha, que inclui as cidades de Gramado e Canela.
  • Para receber os turistas, a capital gaúcha tem hoje 80 hotéis das principais redes e mais de 12,7 mil leitos. A hotelaria de pequeno porte, baseada em hotéis-fazenda e pousadas no entorno da cidade, têm ampliado a oferta de leitos disponíveis.
  • A região metropolitana de Porto Alegre abrange mais de 30 municípios, que se ligam à capital pelas rodovias BR-116 e BR-290 (conhecida como a Freeway), e pela av. Castelo Branco. As opções de transporte público são as 330 linhas urbanas e 1.882 linhas intermunicipais, além do sistema de trens metropolitanos, cuja ampliação deve custar em torno de R$ 3,7 milhões.
  • O planejamento da mobilidade urbana da região tem estratégias de implantação da Rede Estrutural Multimodal, com horizontes temporais para os anos de 2013, 2023 e 2033. A cidade planeja ainda um metrô com extensão de 37,4 km e capacidade para 80 mil passageiros por hora. Entretanto, apenas a primeira fase do projeto (com 13,2 km de extensão) deverá ser executada para a Copa.
  • O DNIT planeja obras rodoviárias para melhorar o acesso ao interior, a Santa Catarina e à Argentina.
  • O Aeroporto Internacional Salgado Filho está localizado na zona norte de Porto Alegre, a 15 minutos do centro da cidade. Por ele, passam cerca de 13 mil passageiros diariamente.
  • É o principal aeroporto da região Sul, e está passando por uma ampliação, planejada antes de a cidade ser candidata à cidade-sede da Copa. O projeto prevê a extensão da pista dos atuais 2,7 mil m para 3,5 mil m.

Recife

  • Recife vai construir a Cidade da Copa, uma nova infraestrutura esportiva e urbana para receber a competição. A cidade tem tradição e potencial esportivo e poderá viabilizar economicamente – em termos privados – o empreendimento, desde que o empreendedor consiga convencer os principais times (Sport e Náutico) da realização dos jogos no novo estádio e não nos seus próprios. Em favor dessa alternativa há uma regra em gestação na CBF que, se for aprovada, obrigará a realização dos jogos do Brasileirão e da Copa do Brasil em estádios padrão Fifa, após 2014.
  • O projeto Cidade da Copa é um empreendimento ambicioso, que busca juntamente com um estádio promover uma operação urbana numa área de expansão, agregando uma estação de metrô e terminal integrado de passageiros, para assegurar maior acessibilidade aos jogos.
  • Recife recebeu o título de "Veneza brasileira" porque está cercada pelos rios Beberibe e o Capibaribe e cortada por pontes, incluindo a mais antiga do País (ponte Maurício de Nassau, de 1640).
  • São seus atrativos as praias (como a famosa praia urbana de Boa Viagem) e as manifestações culturais (como o Carnaval, ao ritmo do frevo, e a festa de São João). O Galo da Madrugada, que pleiteia ser a maior agremiação carnavalesca do mundo, recebe a cada ano cerca de dois milhões de pessoas, mais do que toda a população da capital.
  • Sua Região Metropolitana compreende, além da capital, quatorze cidades do Grande Recife, como Olinda, Jaboatão dos Guararapes e São Lourenço da Mata, abrigando quase 4 milhões de pessoas. A região é limitada por 110 km de praias conhecidas internacionalmente, como Porto de Galinhas, onde estão instalados luxuosos hotéis e resorts.
  • Na área de transportes, a capital pernambucana possui uma frota de aproximadamente 4.600 ônibus, que serve diariamente a 1,7 milhão de pessoas, além do metrô do Recife (Metrorec), que transporta 180 mil passageiros por dia.
  • De acordo com a Secretaria de Turismo do município, grandes redes hoteleiras já apresentaram planos de expansão na cidade. A previsão é que a conclusão das novas unidades hoteleiras vá até 2011, com a construção de três empreendimentos em Recife e um em Petrolina, no interior do estado. Com a chegada dos novos hotéis, mais de 700 novos leitos estarão disponíveis na cidade.
  • O Aeroporto Internacional dos Guararapes Gilberto Freyre tem capacidade para atender a 5 milhões de passageiros/ano e dispõe de 64 balcões de check-in e 2.120 vagas de estacionamento. Dados da Infraero informam que o aeroporto de Recife é o segundo mais movimentado do Norte e Nordeste do país. Para adequá-lo à Copa, a Infraero elaborou um plano de modernização, a ser iniciado a partir de fevereiro de 2010, envolvendo investimentos da ordem de R$ 8,75 milhões.

Rio de Janeiro

  • Principal "cartão-postal" e segunda maior cidade do Brasil, o Rio de Janeiro é uma candidata natural a sediar o jogo final da Copa 2014. Sede da Confederação Brasileira de Futebol, conta com o Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã. O estádio foi inaugurado em 1950, quando o Brasil foi sede da Copa do Mundo.
  • Para 2014, entre outras adaptações, será construída uma nova cobertura para o estádio. O projeto prevê ainda a construção de um prédio para estacionamento, acima das linhas da Supervia e do metrô, com cerca de 3.500 vagas. O custo previsto da reforma é de mais de R$ 400 milhões.
  • O Maracanã precisaria corrigir a visibilidade prejudicada nas primeiras fileiras atrás das cabines; refazer o acesso para portadores de necessidades especiais; e reformar os sanitários.
  • A reforma do Maracanã será feita por meio de Parceria Público Privada (PPP ). O projeto pode ir além da reforma do estádio, incluindo a requalificação da Quinta da Boa Vista e do Museu de São Cristóvão, além da reurbanização e revitalização dos bairros Maracanã e Tijuca.
  • O Engenhão, Estádio Olímpico João Havelange, concluído em 2007 para o Pan, tem capacidade para 45 mil pessoas servirá como centro de treinamento para a Copa. Porém, construído em uma região distan te e deteriorada da cidade, precisa ter sua acessibilidade.
  • O turismo é a grande fonte de recursos do Rio de Janeiro, que é o principal destino turístico do Brasil (31,5%). A atividade corresponde a 15% do PIB estadual, gerando R$ 45 bilhões por ano.
  • Sua rede hoteleira possui 22,5 mil quartos. Há 19 projetos de novos hotéis em construção, que devem ficar prontos a partir de 2011 e devem acrescentar 3.885 mil novos leitos.
  • A cidade está acostumada com a organização de eventos de grande porte, sejam esportivos ou de lazer, a exemplo do Carnaval. A capital promove ainda a maior Fan Fest do mundo, o seu reveillon na praia, que atualmente reúne mais de 2 milhões de pessoas.
  • Para sediar a Copa 2014, o Rio de Janeiro terá como maior desafio a melhoria da infraestrutura para acessibilidade às áreas de expansão urbana, como a Barra de Tijuca; contar com transporte de alta capacidade entre o aerop
    orto internacional e os principais locais de destino; investir em sistemas de transporte e segurança pública; acelerar a ligação terrestre rápida a São Paulo, entre outros.
  • As exigências da Fifa em relação aos sistemas de transportes coincidem com algumas ações iniciadas pelo governo do Rio, como as obras do Arco Metropolitano, com 145 km, que integra os eixos rodoviários; a Via Light, que interligará o subúrbio do Rio com a região metropolitana de Nova Iguaçu; os corredores expressos de ônibus; e a expansão e modernização do metrô.
  • O PAC prevê investimentos da ordem de R$ 4 bilhões no Rio de Janeiro, incluindo três eixos: logística (rodoviária, ferroviária, portuária, hidroviária e aeroportuária); energética (geração e transmissão de energia elétrica, petróleo, gás natural e energias renováveis) e social e urbana (Programa Luz para Todos, saneamento, habitação, metrôs, recursos hídricos).
  • O governo federal deverá investir R$ 38,5 bilhões em mobilidade urbana. Deste total, R$ 15,3 bilhões serão destinados à construção de 550 km de linha férrea do trem-bala, ligando São Paulo ao Rio de Janeiro. Outros R$ 5 bilhões estão destinados à cidade do Rio, para investimentos em corredores de ônibus, metrô, acessibilidade aos estádios, aeroportos, entre outros.
  • Em relação ao metrô, a secretaria estadual de Transportes já anunciou a ampliação de linhas. O novo projeto tem 13,5 km e seis estações e deverá cruzar a Zona Sul da cidade, transportando cerca de 200 mil passageiros/dia por seis estações.
  • As ações do PAC contemplam ainda a urbanização das favelas do Complexo do Alemão, do Complexo de Manguinhos, do Morro da Providência, da Rocinha e Cantagalo/Pavão-Pavãozinho.
  • Além disso, alguns projetos ambientais serão implementados com vistas à Copa 2014 e às Olimpíadas de 2016, como a proteção do sistema lagunar de Jacarepaguá e da Lagoa Rodrigo de Freitas; a melhoria e recuperação dos parques naturais; monitoramento da qualidade do ar, da água e das praias; a balneabilidade de praias e lagoas; e o controle de enchentes no entorno do Maracanã.
  • O Aeropo
    Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *