Rodovia concessionada no Sul terá investimento de R$ 2,7 bi e 204 km de duplicação

O último leilão de concessão no país, realizado no Rio Grande do Sul, dias antes de terminar 2020, exigirá da empresa vencedora investimento de R$ 2,7 bilhões. Só de duplicação são 204 km.

A rodovia RSC-287, que liga Santa Maria, na região central do Estado, a Tabaí, localidade que faz divisa com Triunfo, município da Região Metropolitana de Porto Alegre, foi concessionada pelo Governo do Rio Grande do Sul. Antes, o sistema já era concessionado, mas para uma concessionária pública do Estado, a EGR.  

O consórcio vencedor é formado por duas empresas do grupo espanhol Sacyr, que tem dezenas de concessões em mais de 30 países. É a primeira concessão do grupo no Brasil, que já atua nas obras dos metrôs de São Paulo e Fortaleza, e também na Ferrovia Norte-Sul.

O leilão teve ainda mais três consórcios concorrentes: Integrasul (Silva & Bertoli e Gregor Participações), a Conasa Infraestrutura e a CCR, que tem a concessão de um sistema com várias rodovias federais no Estado, tinha sinergia de operação com a RSC-287 e era considerada favorita no certame, mas não levou.

A concessão de 30 anos exigirá do grupo Sacyr investimento de R$ 2,7 bilhões, sendo R$ 1 bilhão já nos primeiros 10 anos.

As obras na rodovia devem começar no segundo trimestre de 2021, com um trabalho de recuperação da estrada. Conforme o contrato, os primeiros pontos a serem duplicados, até o quarto ano de concessão, incluem trechos em áreas urbanas, junto aos acessos aos municípios cortados pela rodovia: Tabaí, Santa Cruz do Sul, Candelária, Novos Cabrais, Paraíso do Sul e Santa Maria. 

O cronograma estabelece que 65% da rodovia, ou 133 km, devem estar duplicados no nono ano de concessão, contemplando todo o trecho de Tabaí a Candelária, o mais movimentado da RSC-287. 

O trecho entre Novos Cabrais e Santa Maria terá a duplicação obrigatória quando o tráfego da rodovia atingir o volume médio diário equivalente de 18 mil eixos nas duas praças de pedágio ou, no máximo, entre o 19º e 21º ano de contrato, caso o fluxo não se concretize. 

No entanto, as zonas rurais localizadas no último trecho a ser duplicado da RSC-287, entre Novos Cabrais e Santa Maria, terão a implantação de terceiras faixas de tráfego, em oito pontos, com 800 metros de extensão em média, totalizando 7,5 km, entre o segundo e quinto anos de concessão. 

A homologação do resultado do leilão está prevista para ocorrer em 11 de fevereiro. 

O Rio Grande do Sul pretende conceder à iniciativa privada 1.151 km de estradas gaúchas (18 rodovias ao todo), com expectativa de novos editais a serem lançados este ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *