AL: Sistema amplia oferta de água para a população

A adutora Helenildo Ribeiro vai aumentar em 360 metros cúbicos por hora a capacidade de abastecimento de Palmeira dos Índios, Estrela de Alagoas e Minador do Negrão, que passará de 520 metros cúbicos por 880 metros cúbicos por hora, beneficiando 120 mil pessoas.

A informação foi repassada pelo secretário de Estado da Infraestrutura, Marco Fireman, durante coletiva de imprensa sobre a inauguração da obra, que ocorre nesta terça-feira (14), com presença do presidente da República Luis Inácio Lula da Silva, e do governador Teotonio Vilela Filho. O sistema de abastecimento é a primeira obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Alagoas e uma das primeiras obras hídricas do programa a ser inaugurada no Brasil.

“O sistema já estava em fase de testes e nesta terça-feira já entra em pleno funcionamento. Esta adutora era um sonho do governador Teotonio Vilela Filho e do falecido deputado Helenildo Ribeiro, e vai trazer muitos benefícios principalmente à Palmeira dos Índios, pois vai resolver definitivamente os problemas de abastecimento do município, algo que, em épocas passadas, afastou muitos investidores”, conta Fireman.

Em Palmeira dos Índios, a capacidade de abastecimento de Palmeira dos Índios vai dobrar passando de 100 litros para 230 litros. O novo sistema vai funcionar como um reforço ao já deficitário sistema da Carangueja, que já não suporta a demanda do município.

Ao todo, foram gastos R$ 75 milhões na obra, sendo R$ 68 milhões do governo federal, via PAC, e R$ 7 milhões de contrapartida do governo de Alagoas.

A obra consiste em uma barragem que armazena até cinco milhões de metros cúbicos de água; uma adutora de 36 km de extensão; uma estação de tratamento com capacidade para 100 litros por segundo e dois reservatórios de 1.500 metros cúbicos cada.

O secretário Marco Fireman também anunciou que, em breve, o Estado também vai investir mais R$ 5 milhões do PAC na troca de tubulação do sistema de abastecimento d’água de Palmeira dos Índios. A obra consiste na ampliação e substituição de 25 km de rede e promoção de 2125 novas ligações domiciliares, beneficiando mais de 13 mil pessoas.

“Esta troca se faz necessária porque a tubulação de Palmeira já está envelhecida e ainda por cima é de amianto, o que traz riscos à saúde. Por isso, vamos substituí-la por uma rede de PVC”, explicou Fireman.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *