CPFL Renováveis reúne projetos de 2,4 GW que podem dobrar sua capacidade de geração

equipe cpfl

Augusto Diniz

A CPFL Renováveis, empresa do grupo CPFL, tem pelo 2,4 GW em projetos de geração de energia a partir de quatro matrizes: biomassa, eólica, PCH e solar. Hoje, a companhia gera 2.133 MW em 94 ativos, distribuídos em 58 munícipios localizados em oito estados. Portanto, o plano da empresa é mais do que dobrar a sua produção
de energia.

De acordo com Alberto dos Santos, diretor de Engenharia e Obras da CPFL Renováveis, esses projetos no chamado pipeline ainda dependem dos leilões de energia para
se concretizarem. Há, inclusive, empreendimentos na área de energia solar, que a empresa ainda não opera dentro de seu portfólio de geração energética. “Solar tem grande potencial e tendência forte de crescimento”, avalia.

A companhia tem a característica de investir em PCHs (pequenas centrais hidrelétricas com capacidade instalada entre 3 MW e 30 MW, de acordo com a definição da Aneel). Ao todo, a CPFL Renováveis mantém 40 PCHs, com 453 MW de capacidade instalada.

diretor de engenharia da cpfl
Alberto dos Santos, diretor de Engenharia e Obras da CPFL Renováveis

A última a entrar em operação comercial foi a PCH Boa Vista 2 com capacidade nominal de 29,9 MW, localizada em Varginha (MG). A energia dessa PCH foi comercializada em um leilão de 2015, com data de suprimento a partir de janeiro do ano que vem, mas no final de 2018 já estava funcionando.

“Essa matriz é muito importante para CPFL. E continua crescendo”, avalia. Segundo Alberto, a construção de PCHs exigem da empresa uma forte mitigação do impacto e detalhamento de onde a obra se insere. “Em geral são em lugares remotos. Esse tipo de projeto (de PCH) é sensível no Brasil”, ressalta.

usina de bela vista da cpfl
Bela Vista 2, nesta imagem em construção, tem 29,9 MW de potência

Em um leilão de energia nova realizada em agosto do ano passado, a CPFL Renováveis ganhou a construção de mais uma PCH, a Cherobim, localizada no Paraná e capacidade instalada de 28 MW.

Neste mesmo leilão, a empresa conquistou também a execução do Complexo Eólico Gameleira, localizado no Rio Grande do Norte, com 69,3 MW de potência nominal distribuídos em quatro parques eólicos. Em eólica, a CPFL detém 45 parques em três estados (RN, CE e RS), com 645 turbinas gerando 1.309 MW.

usina de biomassa
Usinas de biomassa do bagaça de cana de açúcar estão no portfólio da CPFL Renováveis

“Em termos de engenharia, a seleção e integração de parceiros é fundamental”, explica sobre a implantação de parques eólicos. Segundo o executivo, é importante acompanhar o sequenciamento da montagem.

Antes, a empresa fornecedora da turbina contratava as outras empresas para desenvolver um projeto eólico. Hoje, de acordo com Alberto, a CPFL faz a contratação por cada serviço e equipamento: aerogerador, obra civil, responsável pela rede média de interligação do parque, linha de transmissão e subestação.

No passado, havia grande preocupação com a logística na montagem das torres, pás e aerogeradores eólicos por conta das grandes dimensões das peças. Mas hoje, Alberto comenta que isso já não é mais um problema.

“Esse desafio atualmente é bem conhecido, bem enfrentado. Sabe-se os itens que merecem atenção”, ressalta. “A eólica segue com potencial gigante”, destaca. “As
turbinas aumentaram de potência. Antes era de KW, hoje tem-se de MW cada uma”, ressalta ele sobre a evolução das plantas de geração eólica – com isso, têm se um ganho expressivo na capacidade instalada.

 A empresa de energia tem também em seu portfólio oito usinas de biomassa movidas a bagaço de cana de açúcar. São no total 370 MW de potência instalada com essa matriz energética.

“O escopo para projeto de biomassa se centra na montagem”, explica o diretor. Alberto destaca a importância da integração de projeto executivo, pois existem muitas interfaces e a necessidade de trabalhar com o mínimo de interferência durante a obra.

Os pilares de desenvolvimento da CPFL Renováveis para novos projetos envolvem algumas etapas. Primeiro, faz-se prospecção e elaboração de projeto para leilão.

Após aprovação, segue-se a contratação e gestão. “Aqui tem-se um papel fundamental de integrar a engenharia”, explica. Depois da entrega, o time de manutenção e operação assume o ativo.

parque eólico
A empresa mantém 45 parques eólicos no País

 

pch
São 40 PCHs em operação pela CPFL Renováveis

One thought on “CPFL Renováveis reúne projetos de 2,4 GW que podem dobrar sua capacidade de geração

  • 10 de fevereiro de 2019 em 14:44
    Permalink

    Trabalho no setor elétrico há mais de 40 anos, na área de geração e transmissão de energia elétrica e estou muito orgulhoso pela diversidade de exploração de energia elétrica em implantação no Brasil.
    Vamos em frente, Brasil!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *