Obama enfrentará grandes desafios internos e externos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira (19-01), em seu programa de rádio semanal “Café com o Presidente”, que o Brasil acompanhará com muito interesse a posse do novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. “Ele toma posse num momento delicado da política externa e da política interna norte-americana”, declarou Lula, referindo-se ao conflito entre palestinos e judeus no Oriente Médio e à crise financeira, respectivamente.

Para Lula, a crise financeira tem seus mais impactantes efeitos sobre a população pobre, “no campo da habitação”. Já em relação ao Oriente Médio, o presidente afirmou que um acordo de paz “depende muito da política norte-americana”. Lula também citou outra questão que, ao seu entender, deve ser objeto de uma ação incisiva do governo Obama: “a Rodada de Doha que tramita na Organização Mundial do Comércio (OMC)”.

De acordo com o presidente, por pouco o compromisso não foi estabelecido. “No último momento não havia mais (…) disposição política do governo norte-americano, já que Bush estava no final de seu mandato”, acrescentou Lula, após afirmar que a conclusão do acordo representaria uma grande ajuda aos países mais pobres, com destaque para os que “têm a agricultura como base de sua economia”.

O presidente também disse que espera do novo governo dos Estados Unidos uma relação “preferencial” com a América Latina. Segundo Lula, Obama deve voltar-se para a região com um “olhar democrático”, “desenvolvimentista”, e com vontade política de ajudar países periféricos, “sobretudo da América Central e do Caribe”.

O presidente também destacou a importância do novo governo norte-americano encerrar o bloqueio a Cuba, para que a ilha “possa ter uma vida normal como todos os países, tendo relações com todos os outros países”.
Lula encerrou o programa semanal de rádio discorrendo sobre a questão climática e, após lembrar que os Estados Unidos não são signatários do protocolo de Kyoto, afirmou que espera por uma mudança de direção nas ações do governo norte-americano, sob o comando de Barack Obama, no campo ambiental.

“Nós temos que diminuir a emissão de gases que provocam o efeito estufa, nós precisamos fortalecer a matriz energética limpa e o Brasil tem um potencial extraordinário com o etanol”, declarou Lula.

O presidente afirmou que os Estados Unidos têm o potencial de produzir o etanol a base de milho, mas destacou que embora essa prática possa ser “interessante em algum momento” para este país, ela não é interessante economicamente. “No ponto de vista da economia e do preço dos alimentos, não é importante produzir etanol a base de milho, mas sim de outro produto da cana ou de terceira geração”, disse Lula.

“De qualquer forma, esse é um assunto que estará na pauta do Brasil e dos Estados Unidos a partir de agora. Acredito que haverá mais êxito do que no governo passado, já que Obama foi mais palatável e flexível em relação à questão ambiental em todos os seus discursos de campanha”, concluiu.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *