Plano rigoroso de rigging na montagem de viaduto

A Tranenge Construções, dando continuidade às obras de melhoria da rodovia Dutra, executou para a concessionária CCR NovaDutra um novo viaduto, com tabuleiro com 57 m de comprimento e 13,20 de largura, para acesso, no km 99, à cidade de Pindamonhangaba (SP), no Vale do Paraíba.

A obra foi projetada com fundações em tubulões com uso de ar comprimido e estacas raiz, meso-estrututura em concreto armado moldado in loco e a superestrutura com seis vigas longarinas pré-moldadas protendidas, com 49 m de comprimento, sobre as quais apoiam as pré-lajes e laje de concreto armado moldado in loco.

Cabe ressaltar o sucesso no planejamento executivo da obra, com destaque para o plano e operação de montagem das vigas pré-moldadas, efetuado em duas noites sucessivas num final de semana, entre meia-noite e 5h da manhã, de modo a evitar interferências e minimizar paralisações do tráfego intenso da rodovia.

Com um detalhado estudo de rigging, definindo pátio de fabricação das vigas, configuração dos equipamentos, pressão no solo de apoio das patolas e outras considerações técnicas para içamento, as vigas longarinas foram pré-moldadas à margem da rodovia, no sentido Rio de Janeiro, de modo a sincronizar as operações de carregamento e montagem, com o mínimo de interrupção do tráfego.

Os equipamentos de carregamento, transporte e montagem das vigas foram também posicionados às margens das pistas, sentidos Rio e São Paulo, de modo a evitar interferência no tráfego e garantir a interrupção do mesmo no máximo por 30 minutos, para deslocamento do conjunto transportador e içamento de cada viga.

Trabalhos à noite para evitar interferências e não atrapalhar o tráfego

Para estes trabalhos foram alocados quatro guindastes telescópicos, um conjunto transportador, 20 carretas para transporte, assim como vários outros equipamentos, veículos e máquinas auxiliares para apoio.

Na operação de montagem foi alocado ainda um contingente de 60 pessoas entre engenheiros, técnicos, supervisores, operadores, montadores e mão de obra operacional.

Durante o carregamento, sem quaisquer interrupções de tráfego, foram usados dois guindastes, sendo um Liebherr LTM 1500, capacidade de 500 t para carregamento até um raio de 15 m e, o outro, um Grove GMK 6300, mais próximo do ponto de içamento, com capacidade de 300 t e raio máximo para carregamento da viga de até 11 m.

Para o transporte das vigas longarinas, com 49 m de comprimento e pesando 142 t, no deslocamento diagonal em relação à rodovia, até a posição de içamento, foi utilizado um conjunto transportador tipo linha de eixo.

Para a montagem das vigas longarinas foi definido no estudo de rigging uso de dois guindastes, sendo um Liebherr LTM 500, capacidade de carga de 500 t, posicionado à margem da pista, no sentido São Paulo, com raio máximo de até 19 m para içamento, e outro, de maior porte, com capacidade de carga de 750 t, à margem da pista, no lado oposto, no sentido Rio de Janeiro, para içamento das vigas com raio máximo de até 24 m, ambos a partir dos pontos extremos da peça apoiada sobre o conjunto transportador, que se deslocou em diagonal até o limite próximo à barreira New Jersey entre as pistas.

A montagem seguiu rigorosamente o plano de rigging, com içamento de quatro vigas na madrugada de um sábado e duas vigas na madrugada de um domingo, com interdição do tráfego em média de 20 minutos para içamento de cada viga.

Fonte: Redação OE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *