Categorias

25 de janeiro de 2021

Plataforma de informação sobre Infraestrutura, Construção Industrial e Edificações

Produção de petróleo cresce 2,3% em setembro na comparação com agosto, diz ANP

2 min read
Produção de petróleo cresce 2,3% em setembro na comparação com agosto, diz ANP

A produção brasileira de petróleo em setembro atingiu 2,099 milhões barris por dia, o que representa crescimento de 2,3% na comparação com agosto e 5,1% em relação a setembro de 2010. Os dados constam doBoletim da Produção de Petróleo e Gás Natural que a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis(ANP) publicou ontem (3) em sua página nainternet.

Os dados mostram que foram produzidos 65 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural, 2,1% a mais que em setembro do ano passado, mas 1,9% menos que em agosto deste ano. Já a produção de petróleo e gás, em barris de óleo equivalente, totalizou setembro com 2,5 milhões barris por dia.

Segundo a ANP, a produção da área do pré-sal continua em crescimento, tendo sido produzido em setembro 113,1 mil barris por dia de petróleo e 3,5 milhões de metros cúbicos de gás por dia. Em barris de óleo equivalente (petróleo e gás natural), a produção ficou em 135 mil barris por dia, crescimento de 1,4% em relação a agosto.

Outra constatação é que, apesar da flexibilização do monopólio do petróleo, 90,8% de todo o petróleo produzido no país são provenientes dos campos da Petrobras, sendo o Campo de Roncador, na Bacia de Campos, o maior produtor, enquanto o do Rio Urucu, na Bacia de Solimões, é o maior produtor de gás natural.

Individualmente, o poço do Campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, segue como o de maior produção de petróleo, com uma extração média diária de 27,5 mil barris de óleo equivalente por dia.

A queima de gás natural no país continua em queda. Em setembro, ficou 17% menor do que a de igual período de 2010. Em relação a agosto, no entanto, a queima cresceu 19% em setembro, em decorrência do período de comissionamento (preparo e manutenção de equipamentos) após o início da operação da plataforma P-56.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *