Reunião da Coinfra delibera sobre PAC, ferrovias e Copa do Mundo

As obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) vão receber acompanhamento ostensivo a partir de agora, no que depender da vontade do Conselho Conselho Temático de Infraestrutura da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Coinfra-Fiemt), reunido nesta segunda (22.06) na sala de conferências da Secretaria de Infraestrutura (Sinfra). Essa é uma forma de evitar que inadequações técnicas, como as observadas no lote do PAC previsto para Cuiabá, levem a atrasos e embargos no andamento das obras.

Os integrantes do Conselho decidiram sugerir à Prefeitura de Cuiabá a contratação de uma empresa de auditoria e aconselhamento técnico já a partir da assinatura das ordens de serviço. Todos concordaram que a vantagem relacionada ao assunto, mesmo com os percalços e discussões políticas, é o fato de todas estarem ainda com menos de 10% de seu andamento feito. Isso torna o proceder mais simples, mesmo nas mais complexas adequações.

No seguimento da pauta da reunião, o Conselho decidiu também sugerir a efetivação do traçado da Ferrovia Leste-Oeste, que começar por Uruaçu-GO, passa por Cocalinho, Ribeirão Cascalheira, Lucas do Rio Verde (MT) e culmina em Vilhena-RO, a extensão prevista para a nova ferrovia é de 1.500 km. “Mas antes temos de solucionar os problemas encontrados para incluir o traçado da Ferrovia Vicente Vuolo entre Rondonópolis e Cuiabá no PAC”, lembrou o representante da Sinfra no Coinfra, Tércio Lacerda de Almeida.

O Plano de Intervenção nas rodovias federais, que interagem com o aglomerado urbano Cuiabá/Várzea Grande, também foi brevemente debatido durante a reunião do Conselho porque o assunto é diretamente relacionado à realização da Copa 2014 na capital. “Nosso prazo é exíguo e o trabalho a ser feito, gigantesco. Temos muito a tratar e mais ainda a realizar”, lembrou um dos membros.

Passam hoje pelo aglomerado quatro rodovias federais: as BRs 070, 163, 251 e 364. Ao longo dos anos, as rodovias 070/163/364, que têm os traçados coincidentes em parte de Mato Grosso, transformaram-se em trechos urbanos em Cuiabá e Várzea Grande devido ao crescimento das duas cidades.

O traçado oficial destas rodovias vai da entrada de Cuiabá até o Trevo do Lagarto, em Várzea Grande, passando pelas avenidas Fernando Corrêa da Costa, Tenente Coronel Duarte (Prainha) e da FEB até retornar em direção ao Trevo do Lagarto, na saída de Várzea Grande. Na década de 1980 houve uma primeira tentativa de desafogar o trânsito desse trecho urbano ao ser iniciada a construção do primeiro contorno de Cuiabá, a Avenida Miguel Sutil, Perimetral, denominada “contorno das BRs 070/163/364”. Mais recentemente houve nova tentativa de melhorar o trânsito da Capital com a construção da Estrada do Moinho. Na época, a solução foi suficiente, mas a cidade continuou a crescer e uma nova avenida começou a ser construída no ano passado para desafogar o trânsito da mesma região, a Avenida das Torres, que conta com recursos dos governos Federal, Estadual e Municipal.

O Coinfra tem atuação sobre as políticas de transportes (aéreo, ferroviário, rodoviário, marítimo e hidroviário), energia, comunicações e saneamento. Sob a presidência do diretor do Sindicato da Indústria Pesada (Sincop), Anildo Lima Barros, o conselho é integrado por representantes da Fiemt, Sincop, Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Gás (Sincremat), Sindicato das Indústrias Gráficas (Sigemt), Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria (Sindipan), Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon), Global Energia e Sinfra.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *