Uma Termelétrica a gás natural de emissão zero

A tecnologia já está à mão – se a sociedade estiver disposta a pagar a conta

A planta piloto pioneira é um empreendimento conjunto da empresa de engenharia CB&I, que toca o contrato EPC de construção em La Porte, perto de Houston, Texas, Estados Unidos; Exelon Generation, uma geradora de energia independente; NET Power, responsável pela comercialização da tecnologia chamada Allam Cycle; e 8 River Capital, desenvolvedora de tecnologia. As obras começaram em março passado no empreendimento de 50 MW e devem ser concluídas em 2017.

Segundo Walker Dimming, representante da NET Power, essa tecnologia usa um ciclo supercrítico que queima gás natural com oxigênio, e utiliza CO² em alta pressão no lugar de vapor para acionar a turbina. Como resultado, esta planta de demonstração — a versão comercial de 295 MW está sendo avaliada por clientes potenciais — produzirá eletricidade com uma eficiência equivalente às unidades de ciclo combinado que se tornaram padrão na indústria. O CO² será empregado na injeção de poços de petróleo para elevar a recuperação ou outras aplicações industriais.

A construção dessa planta piloto, mais o programa de desenvolvimento da tecnologia, inclusive o projeto da planta comercial, estão sendo financiados pela Exelon e CB&I, que também contribuem com suas expertises de engenharia. Daniel McCarthy, vice-presendente da CB&I, informou que a tecnologia aplicada no projeto pela NET Power pode representar um novo padrão em geração elétrica, ao eliminar a emissão de CO² da queima de combustível fóssil.

Meta de redução de gás carbônico impulsiona construção de usinas com emissão zero

Segundo Dimming, o objetivo maior dessa primeira planta não é competir em eficiência com outras tecnologias na faixa de 50 MW, mas validar os aspectos chave do Allam Cycle para uma termelétrica comercial de 295 MW, como controles de operação, capacidades e índices de performance. A NET Power acredita que o processo da Allam Cycle pode ser competitivo frente às plantas de ciclo combinado que não capturam o CO², a ser comprovado com a operação da planta piloto.

Quanto à complexidade dessa planta piloto, ele afirma que as instalações se assemelham as plantas termelétricas e da indústria petroquímica, inclusive as de liquefação de gás natural em construção, e vai demandar o mesmo tipo de mão de obra especializada — soldadores, instaladores de tubulações etc. As equipes de montagem naturalmente vão se familiarizar com um novo ambiente industrial, que está sendo edificado pela primeira vez.

A agência ambiental americana estabeleceu que a geração elétrica precisa reduzir em 32% as emissões de CO² até 2030, tomando como referência 2005. Esta restrição deve beneficiar tecnologias do tipo desenvolvida pela NET Power, entre diversas outras. Esta empresa lembra que o desenvolvimento da planta comercial vai seguir de perto o comissionamento da planta piloto.

Na mesma região de Houston, um consórcio formado pela The Industrial Co., subsidiária da empresa de engenharia Kiewit, e a Mitsubishi Heavy Industries America, estão erguendo o projeto Petra Nova Carbon Capture, na termelétrica a carvão da NRG Energy, de 610 MW, oitava unidade da usina W.A.Parish, em Fort Bend. O projeto vai usar um processo a base de amina para remover 90% de CO² das emissões da usina, tornando o total emitido equivalente a uma planta de 240 MW. O CO² capturado será comprimido e enviado através de uma tubulação para um campo petrolífero para melhorar a recuperação dos poços.

A Petra Nova também adota uma tecnologia nova e complexa e foi projetado em conjunto por quatro empresas de engenharia em três continentes, tornando a coordenação entre elas crucial. O empreendimento está dentro do cronograma e orçamento. Todos os trabalhos de engenharia foram concluídos em dezembro passado e os equipamentos principais já estão montados na usina. As atividades de construção estão 75% concluídos e os sistemas já podem ser entregues para as equipes de comissionamento.

Perspectiva da planta piloto em construção no Texas (EUA)

Fonte: Revista O Empreiteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *