Custo da construção civil sobe 1,06% em maio

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) subiu de 0,46% em abril para 1,06%, em maio, com alta de 0,60 ponto percentual, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado de maio, os preços da construção civil acumulam alta de 3,07% nos primeiros cinco meses do ano. A taxa dos últimos 12 meses acumula  variação de 7,28%.

Os dados da Sinapi indicam que em maio do ano passado o índice havia fechado em -5,12%. A grande variação ocorre porque naquele mês incidiu a desoneração da folha de pagamento de empresas do setor da construção civil. Quando não considerada a desoneração da folha, o acumulado no ano fica em 3,09% e dos últimos 12 meses em 7,38%.

Com a alta de maio, o custo nacional da construção por m², passou de R$ 877 em abril, para R$ 886 em maio, sendo R$ 487 relativos aos materiais e R$ 398 à mão de obra. Sem considerar a desoneração da folha de pagamento, o custo nacional da construção, por m², fechou maio em R$ 947, sendo R$ 488 relativos aos materiais e R$ 459 à mão de obra.

A parcela dos materiais apresentou variação de 0,07%, caindo 0,31 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,38%). A mão de obra variou 2,30%, subindo 1,75 ponto percentual em relação a abril (0,55%).

O levantamento do IBGE indica que nos cinco primeiros meses do ano, os materiais acumulam alta de 2,90%, enquanto a mão de obra subiu no período 3,28%; a taxa anualizada (acumulado dos últimos12 meses) ficou em 6,03% para os materiais e em 8,85% para a mão de obra. Estes resultados levam em conta a desoneração da folha de pagamento. Não considerada, os acumulados em 12 meses foram 6% (materiais) e 8,89% (mão de obra).

Estes resultados são calculados mensalmente pelo IBGE por meio de convênio com a Caixa – Caixa Econômica Federal, a partir do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, criado em 1969, com o objetivo de produzir informações de custos e índices de forma sistematizada e com abrangência nacional, visando à elaboração e avaliação de orçamentos, como também acompanhamento de custos.

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *