EPC Engenharia quer dobrar o faturamento até 2012

Ao longo dos 38 anos de atividade, a EPC reforçou sua presença no mercado através da oferta de valores que vão além da engenharia básica e detalhada dos empreendimentos. Buscando melhorias contínuas no desenvolvimento de projetos através da capacitação de seus profissionais e utilização desoftwaresde última geração, a empresavem focando em formas de fornecimento que viabilizamsoluções de produção completas para seus clientes.

Partindo de estudos de viabilidade e projetos conceituais até o fornecimento de projetos de engenharia, como unidades de beneficiamento mineral, infraestrutura para plantas metalúrgicas e siderúrgicas, estaleiros para a produção de navios, unidades de complexos petroquímicos, entre outros, a EPC oferece ao mercado o que existe de mais avançado em engenharia consultiva, projetos conceituais, básicos e detalhados, gestão de suprimentos, gerenciamento de empreendimentos para empresas de grande porte e fornecimentos em regime EPC, EPCM,Turn Keye Aliança.

Parcerias com multinacionais, líderes em seus ramos e detentoras de tecnologia de processo, também têm contribuído para o sucesso dos projetos.

Fundada em setembro de 1972, em Belo Horizonte (MG), a EPC chega aos 38 anos com aproximadamente 1.100 colaboradores que atuam em todo o território nacional. Além da sede administrativa na capital mineira, a empresa conta com escritórios no Rio de Janeiro, em Macaé (RJ) e em Vitória (ES).

Resultados

Toda essa evolução e esforços ao longo desses anos renderam bons frutos. Com vários megaprojetos já em andamento, a EPC Engenharia teve um crescimento médio de 25% nos últimos seis anos e espera dobrar seu faturamento até 2012, chegando a R$220 milhões. Para 2010, a expectativa é de um crescimento em vendas de 60% em comparação a 2008, o que representa uma meta de R$ 170 milhões.

Segundo ovice-presidente comercial e marketing da EPC, Dhenisvan Costa, o principal foco de atuação da empresa são os segmentos de mineração, melaturgia, siderurgia, óleo e gás, papel e celulose, portos e estaleiros, infraestrutura (transporte, saneamento e meio ambiente) e energia. “Para alcançar os resultados pretendidos, vamos trabalhar para aumentar as vendas onde já atuamos, além de diversificar o nicho de mercado”, ressalta.


Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *