Evento no Sul discute a reciclagem de material fresado para geração de pavimento sustentável

A experiência de reciclagem de material fresado será apresentada durante a 17ª Reunião de Pavimentação Urbana, que ocorrerá em Porto Alegre de 18 a 20 de outubro, para mostrar as possibilidades de produção de pavimento sustentável com aproveitamento de material que seria enviado aos aterros ou teria outra destinação, sem respaldo legal e ambiental. A Política Nacional de Resíduos Sólidos já estabelece normas para destinação adequada desses materiais.

Na palestra que será feita dia 19, engenheiros da Fremix, um dos clientes da Ciber Equipamentos Rodoviários, vão relatar que o Programa de Recapeamento Asfáltico na cidade de São Paulo tem gerado um volume em torno de 20 mil m3/mês de material resultante da fresagem, o RAP (Reclaimed Asphalt Pavement). Além disso, as diversas intervenções urbanas na capital paulista, resultam em cerca de 16 mil toneladas diárias de resíduos da construção civil.

Para aproveitar parte desses resíduos, o grupo Wirtgen forneceu para a Fremix a Usina Móvel KMA. O equipamento produz materiais estabilizados com betume, como a reciclagem de material fresado com espuma de asfalto ou com emulsão. Possibilita ainda a introdução de aditivos, filler ativo ou inativo, como cal e cimento Portland na mistura.

Para receber e produzir os materiais foi criada uma Unidade de Reciclagem, estrategicamente localizada na cidade de São Paulo, onde os materiais são armazenados e reciclados, e onde foram instalados os equipamentos e laboratório para controle tecnológico. Além disso, a britagem do material é feita com o Britador Móvel de impacto Kleemann modelo EVO 110 – também do grupo Wirtgen -, que melhora a forma dos agregados e é adequado para britagem de resíduos de asfalto, pedras e material proveniente da demolição da construção civil.

“Com tecnologia, investimento e equipamentos apropriados, transforma-se o que antes era um grande passivo ambiental em matéria

prima para pavimentação”, afirma o engenheiro Élio Cepollina Jr. Segundo ele, cada material deve ser estudado e aplicado de maneira correta para atender às normas e especificações técnicas e, produzir um pavimento sustentável e a custo inferior ao processo convencional.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *