O baluarte da indústria britânica

JCB comemora milionésima máquina entregue, prioriza economia de combustível nos motores a diesel da própria marca nos lançamentos e defende seu DNA em inovações pioneiras

No cenário ainda incerto do novo ciclo industrial britânico, que deixa de priorizar produtos de larga escala para se dedicar a nichos específicos com componentes que agregam tecnologia e permitem formar preço, a JCB desponta como o bastião da indústria britânica no segmento de bens de capital, ao lado da Rolls-Royce.

Ainda estão na memória recente as conquistas tecnológicas, como o supersônico Concorde (em associação com a França), o hoovercraft (barco anfíbio que se desloca sobre colchão d’água) e as primeiras plataformas petrolíferas para o Mar do Norte (um dos ambientes naturais mais agressivos do planeta). Saindo da esfera industrial, lembramos da construção do túnel que atravessa por baixo o Canal da Mancha, ligando a Inglaterra ao continente.

Nos lançamentos apresentados pela JCB num encontro da imprensa especializada global na sua fábrica em Rocester, Staffordshire, na Inglaterra, estava evidente a herança das inovações pioneiras, como a retroescavadeira, o manipulador telescópico e o skid steer de um só braço. O foco dos novos modelos, entretanto, estava na série de motores Dieselmax que atende à legislação Tier 4, com sensível economia no consumo, segundo o fabricante.

Ao lado da milionésima máquina produzida, uma escavadeira JS220, de 22 t, revestida com prata, exposta na entrada da sede da empresa, a estrela do evento global foi o motor de 6 cilindros batizado de 672, que demandou investimento de 45 milhões de libras na sua produção. O equipamento se vale da experiência acumulada em 250 mil motores produzidos em cerca de oito anos e possui alta intercambiabilidade de peças com o motor de 4 cilindros e 4,8 l Dieselmax, que já registrou mais de 20 mil horas de serviço em canteiros de obras do mundo todo.

Entre as características técnicas significativas dessa geração de motores, estão o controle eletrônico, a injeção de combustível tipo common rail Delphi e a turboalimentação de geometria fixa. Inicialmente, o 672 será produzido para atender à legislação Tier II em mercados de países emergentes, como Rússia, Brasil e China, equipando a escavadeira JS360 e outras máquinas.

O 672 estará disponível na faixa de potência de 188 HP (140 kW), 221 HP (165 kW), 255 HP (190 kW) e máxima de 302 HP (225 kW), gerando torque de até 1200 Nm. O fabricante informa um ganho impressionante de 8% no consumo de combustível, se comparado aos motores anteriores das escavadeiras da série JS: apenas 189 g/kWh, nos testes realizados, que já somam 50 mil horas. Algo que os usuários vão querer conferir nos canteiros de obras. O intervalo de serviço é de 500 horas.

Na outra ponta do mercado, nos países industrializados com regulação ambiental rigorosa, a JCB dispõe do motor Ecomax T4i. Ele atende aos limites Tier 4 Final de emissões com um sistema SCR compacto para reduzir o NOx, graças à tecnologia avançada de combustão que minimiza a geração de gases dentro do motor, ao invés de depender de pós-tratamento. Haverá ainda ganho no consumo de até 5%.

Um aditivo à base de ureia funciona como redução catalítica seletiva (SCR) nos motores acima de 74 HP (55 kW), funcionando dentro de um único silencioso de exaustão, compacto, que muitas vezes tem as mesmas medidas do silencioso tradicional. Isso significa que o motor Ecomax T4F poderá ser instalado nos equipamentos atuais sem modificações relevantes, dispensando ainda a limpeza ou substituição de filtros dos gases de exaustão.

Da esq. para dir., a manipuladora com o maior alcance do mercado, a escavadeira JS220LC, a retro 5CX e a milionésima máquina pintada na cor prata

A JCB, que alcançou recentemente a liderança do segmento de retroescavadeiras no Brasil, exibiu no evento a 5CX, com potência de 118 HP Tier 2, a maior da categoria. Possui direção nas 4 rodas, caçamba de 1,3 m3, hidráulica de fluxo variável com servo-controles que possibilitam até 10% de redução no consumo, transmissão automática TorqueLock standard, que pode dar outros 25% de economia no diesel. A caçamba traseira alcança 6,5 m de profundidade. Destina-se aos mercados emergentes.

A empresa que inventou o manipulador telescópico lançou o modelo 540-200, que supera 20 m de alcance, levantando 4 t. Sua lança de 5 estágios usa um cilindro embutido e sistema de correntes, que coordenam o movimento proporcional de extensão. O nariz da lança é uma peça única, com mecanismo para troca rápida de implementos. Um joystick servo-controlado comanda todos os movimentos.

A linha completa de 17 skid steers e carregadeiras compactas sobre esteiras prioriza uma eficiência de até 16% no consumo, se comparada aos concorrentes, segundo a JCB. Possuem cabine 46% maior, com porta lateral, basculável para frente em caso de serviço e 60% a mais de visibilidade ao operador.

O fabricante britânico ainda apresentou no evento global duas carregadeiras compactas, a 411 e a 417, com motor Tier 4; a retro 4CX Wastemaster para uso em reciclagem de materiais; a introdução do motor Tier 4 na sua linha de escavadeiras, exceto a JS360 com o novo motor 672, que passa a contar com lanças de alcance extra para uso em demolição, sistema LiveLink para envio de dados operacionais e prevenção de deslocamentos não autorizados; um trio de novas miniescavadeiras; dois modelos de compactadores de solo, VM117D e VM137D, a ser produzidos inclusive no Brasil. Uma demonstração ao vivo de equipamentos encerrou a celebração da milionésima máquina, mantendo acesa a chama da inovação industrial na casa JCB.

Fonte: Revista O Empreiteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *