Obras do Dnit vão parar no Rio Grande do Sul

Somente uma opção capaz de assegurar a medição e o pagamento dos serviços realizados, enquanto não terminar o movimento grevista dos funcionários do Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (DNIT), poderá impedir a paralisação das obras da autarquia em execução no Rio Grande do Sul. A informação é do engenheiro Nelson Sperb Neto, presidente do Sindicato da Indústria da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral no Estado do Rio Grande do Sul (Sicepot-RS), que cita as duplicações da BR 448 e BR 386, em fase final; da BR 116, entre Guaíba e Pelotas, e do Contorno de Pelotas, iniciadas há cerca de um ano; da BR 290, entre Eldorado e Pântano Grande. As obras da BR 158 e do Contorno de Santa Maria deveriam ser iniciadas no segundo semestre deste ano.

De acordo com Sperb, a greve do DNIT teve como efeito imediato a paralisação do processo de medição, tramitação e pagamentos das faturas dos serviços realizados, o que afetou gravemente as empresas envolvidas nas obras de duplicação em andamento.

Ele diz que as mesmas empresas haviam sido penalizadas, até recentemente, pela demora na emissão das ordens de serviço por interferência dos órgãos de controle. E posteriormente pelo atraso na liberação das jazidas pelos órgãos de meio ambiente, além da ação de cerceamento das áreas indígenas e, por fim, devido à indefinição dos projetos executivos.

Das produções de serviço registradas no mês de maio deste ano, no DNIT nacional, a contribuição da Superintendência Regional do Rio Grande do Sul representou cerca de 20 % do total produzido, correspondente a cerca de R$ 100 milhões, o que demonstra a importância dessas obras para as empresas gaúchas e o DNIT regional.

“Acreditamos em uma solução o mais rápido possível, sob o risco de serem inviabilizados todos os prazos contratuais das obras em execução, o que prejudicaria não somente o interesse das empresas envolvidas, mas de toda a sociedade por demais paciente com os atrasos da infraestrutura regional e nacional”, afirmou o presidente do Sicepot-RS.

Fonte: Padrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *