Pesquisadores criam no interior de SP papel a partir de plástico.

O chamado papel sintético é resultado de um estudo que durou seis anos, realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos, no interior de São Paulo. A folha de papel tem o plástico como matéria-prima ao invés da celulose. A fabricação consome menos água e menos energia do que a do papel tradicional.

Praticamente qualquer embalagem plástica jogada no lixo pode ser aproveitada. Depois de triturado e misturado a uma série de substâncias, o plástico vai para uma máquina onde é submetido a altas temperaturas. Depois de derretido, é resfriado e novamente picotado.

O processo termina em outro equipamento, que funde os grãos para produzir o papel sintético. De acordo com o pesquisador Cristiano de Santi, o papel é mais resistente aos raios ultravioletas, à ação do tempo, além de ter aplicação onde a durabilidade do papel tradicional é limitada.

A idéia já foi testada em larga escala e patenteada. O papel pode ser usado, segundo os criadores, em livros, etiquetas, manuais e rótulos. Os pesquisadores aguardam o interesse da indústria para que a novidade chegue ao consumidor. Mas uma pequena amostra foi levada a uma papelaria. “É bom para escrever, acho que vale a pena”, diz uma pessoa que testou a novidade.

Oitocentos e cinquenta quilos de plástico reciclado são necessários para produzir uma tonelada de papel sintético. E, segundo os pesquisadores, a cada tonelada produzida, 30 árvores deixam de ser cortadas. Os estudos revelam que, se fosse aplicada em sala de aula, a novidade poderia aumentar a vida útil de livros e de cadernos.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *