Tempo perdido nas concessões é tempo perdido para o País

Nildo Carlos Oliveira

O governo finalmente se dá conta daquilo que o mercado se dá conta há muito tempo: reconhece que perdeu tempo demais nas gestões para garantir concessões rodoviárias e ferroviárias a taxas que, no fundo, poderiam limitar a rentabilidade das possíveis empresas interessadas.

Quando das concessões dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Viracopos, enfatizou, enviesadamente, que as futuras concessões não poderiam prescindir de algumas mudanças. Considerou que, naqueles casos, concedera demais quando, se apertasse mais um pouco as exigências, poderia ter obtido resultados melhores.

O que se tem verificado é uma desastrosa quebra de braço. O mercado acha que, com a taxa de rentabilidade oferecida, que era de 5,5%, não teria margem de lucro satisfatória na execução e exploração das obras de infraestrutura rodoviária que viessem a ser contratadas. E, por seu lado, o governo insistia em medidas pelas quais pudesse exercer controle sobre a rentabilidade dos investidores.

O que se observa é que aparentemente faltou habilidade no meio de campo para o desenvolvimento de negociações capazes de reduzir os danos da quebra de braço ou que removessem os obstáculos que emperravam o processo. Faltou a visão cidadã de que não se pode ir nem muito ao mar e nem muito à terra, quando o que está em jogo são os interesses do País. Há de se encontrar, nesses momentos, o caminho para a obtenção de um denominador comum.

Com essas idas e vindas perdeu-se um tempo enorme. E, obras, que já poderiam ter sido contratadas, ficaram paralisadas no tempo. Os prejuízos serão lançados no colo da sociedade.

Fonte: Nildo Carlos Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *